Por que as mulheres brasileiras famosas incomodam tanto as próprias mulheres brasileiras?


              As brasileiras celebridades que estão em alta como Anitta e Karol Conka, assim como Juliana Paes estão sendo temas de debate em artigos e em mídias sociais. As pessoas estão expondo suas opiniões sobre elas de uma forma muito surpreendente e o maior impacto está na questão das mulheres terem opiniões negativas sobre estas mulheres em posição de destaque. A discussão é em torno da cor da pele, o que fazem e como se comportam. Vamos tentar entender o motivo disso tudo?

              Em pleno término de 2017, ainda há pessoas que ainda criticarem outras pela cor de pele, pelo seu comportamento e se é cabível ou não tomar posse de um objeto, de um comportamento, de um penteado ou seja lá ou que for por que parece que alguém definiu como errado. Será mesmo que ainda temos que ser “educados”, “instruídos” e é preciso dizer que cada um de nós pode fazer de sua vida o que quer?

              Ao se falar sobre o feminino, ele é algo que Freud não conseguiu trabalhar muito bem em suas obras e Lacan afirmou que enquanto os homens formam grupos, as mulheres não, daí se conclui que é preciso analisar cada mulher de caso a caso. Assim, podemos dizer que surge esse problema entre as mulheres em aceitar o que é da outra mulher. Por isso que existe essa tentativa de ficar cortando os galhos das mulheres heteros, das trans, das bis, das homos, das que querem ser o que são e o que não são porque o outro se acha melhor juiz do que  o próprio sujeito.
              Só mais umas perguntas: O corpo é de quem? Se é do sujeito, por que não podemos permitir que ele tome posse do seu próprio corpo? Nós ficamos rodeados de preconceito, de abismos em torno do feminino do que é cabível ou não para as mulheres mas as curvas são presentes no corpo feminino. Por falar em corpo , falemos em pele, a negritude é marcada como? Uma pergunta que precisa ser respondida não só pela genética, se todos nós nascemos na América Latina, logo somos latinos, certo? Mesmo tendo olhos azuis e cabelos loiros e/ou lisos? Vamos parar de procurar o diferente e vamos buscar o que temos de igual? 


              É importante entender que uma pessoa só não generaliza um grupo inteiro e caso isso aconteça, qual é o problema? A imagem do Brasil no exterior já foi criada há muito tempo e não é por causa de uma cantora que está fazendo muito sucesso que vamos ter um problema ou não. Lá assim como aqui, as mulheres têm seios, glúteos e muitas curvas e existem danças sensuais de vários tipos a serem admiradas que foram criadas lá como aqui: Hip Hop, Salsa, Tango, Samba, Gafieira, Funk... Por favor... Não causem alvoroço por uma pessoa! 
              Sobre a cor de pele, acho que me entenderam, certo? Aqui na nossa terra ninguém é branco. Já vi muitas pessoas brasileiras se dizerem brancas e negarem suas origens ou até mesmo a desconhecerem, mas eu como nasci numa família mistureba, reconheço muito bem uma raiz e sei quem tem “seus parentes” felizes na cabeça e não é por isso que menosprezo ninguém. 
              Vamos parar de discutir quem é quem e o que faz... Isso já está feio! Se não gosta, é simples! Basta não assistir, mudar de canal, não assistir pela Internet e procurar ouvir outro tipo de música. Temos que entender que nós temos muitas pessoas com talento aqui no Brasil. O problema é que somos muito teleguiados a enxergar para o que é de fora e achar que tudo que vem de lá como maravilhoso... Pleno e intocável e o que é Tupiniquim, como nada a ver, ruim, que precisa sempre ser retocado e não vale nada. 
              Eu admiro as nossas origens e nossa cultura e não foi à toa que eu fui estudar meu Mestrado em Português Segunda Língua que me permitiu estudar profundamente o comportamento dos brasileiros. Com isso, me aprofundei em teorias nas quais pude observar a relação entre a linguagem e o comportamento em torno da família brasileira. 
                   Espero que eu possa ter trazido um pouco de esclarecimento. Entender o caminho dessas mulheres que saíram do nada é muito mais importante do que achar que é indevida a arte que produzem, o modo que se comportam ou a definição da cor de pele que eles recebem. Pensem que enquanto se discute assuntos banais pode ser uma grande perda de tempo, enquanto elas estão lá na frente, produzindo, vencendo na vida e não mantendo esse tipo de pensamento destruidor que nos impede de ir adiante. Na Psicanálise, o que nos incomoda pode ser nosso espelho refletindo uma vontade reprimida.   

               Ah! Só mais um recado para todos que leram esse texto, se elas estão brilhando pelo talento e empenho que a cada dia elas dedicam ao trabalho delas, pensem: Por que eu não posso fazer algo por mim também que me leve ao meu sucesso? Qual é o meu talento? Quer descobrir comigo?

Quer continuar acompanhando meus artigos e saber mais sobre meus atendimentos? Acesse o meu site www.brunarafaele.com.br e se cadastre para receber as novidades. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Como escrever a sua própria história