terça-feira, 6 de setembro de 2011

Espírito de equipe, você tem?


       É interessante observar grupos de trabalhadores e entender como funciona o trabalho em equipe. Ruim é quando detectamos a competição entre eles, sem falar em boicotes que só podem causar baixa produtividade e um ambiente desagradável.
            Você já percebeu que existem pessoas que optam por trabalhos individuais justamente porque não conseguem se adequar às dinâmicas de equipes? Aliás, você já percebeu quantas pessoas querem ser líderes, sem nem mesmo ter as habilidades necessárias para exercer tal função? Será que todos nós estamos realmente prontos para sermos líderes de algum grupo?
            A escolha por não trabalhar em equipe é feita, em muitos casos, por pessoas que passaram por alguma experiência ruim ao tentar se inserir em grupos. Mas geralmente, esse problema tem origem nestas pessoas que não se adéquam, pois não há nelas a habilidade desenvolvida de aceitar possíveis falhas da equipe e com isso, acreditam que fica mais protegida se não entram em situações de conflito com ninguém do seu ambiente profissional.
            Pessoas extremamente individualistas nem sempre se dão conta de quanto fecham portas para a interação com os outros, pois assumem suas tarefas e também escolhem fazer o trabalho alheio, justamente por uma questão de fuga, por terem medo de depender de alguém para cumprir suas funções. Ter atitudes individualistas traz sucesso profissional ou só cria isolamento?
            Ao pensar numa equipe de trabalho, não podemos nos esquecer daquelas pessoas que estão dentro de um conflito interno constante que os expurgam em seus colegas de trabalho. Funcionários assim são realmente muito difíceis de aguentar, pois agem constantemente de forma agressiva e ainda acreditam que podem apontar os erros alheios. Assim, geram uma comissão de debate sobre assuntos não pertinentes a sua alçada para tentar encontrar soluções que ninguém as pediu, sem mencionar que nem eles mesmos recebem algum tipo de remuneração para exercer essa função.
            Funcionários que vivem reclamando de seu ambiente de trabalho são pessoas que desmotivam os outros, pois viver em um ambiente de reclamação constante sem buscar soluções é péssimo tanto para quem fala quanto para quem ouve. Aliás, desde quando reclamações que não tem metas atingem algum resultado?
            Um fator importante é a nossa interferência do ambiente da casa no ambiente profissional. É preciso entender o movimento que fazemos de levar nossas relações familiares para o trabalho, que serve como uma esponja de nossas maneiras de interagir em casa. Pessoas com muita necessidade de atenção no trabalho são geralmente pessoas que buscaram em casa criar um ambiente descontraído para algum membro de sua família, em busca de aliviar as tensões do quotidiano alheio.
            Há também aquelas pessoas que ao entrar em um grupo, já se sentem incomodadas por justamente não serem alvo de reconhecimento, o que só demonstra o quanto elas buscaram em seus laços familiares ter um prestígios e se sentem menosprezadas quando alguém do grupo simplesmente não lhes dá um bom dia mais afetuoso.
            Saber fazer parte de um grupo demanda de nós saber se integrar como um todo na equipe já formada, respeitando a sua dinâmica e, se possível, adicionando conhecimentos adquiridos por nós ao processo de produção de todos. É preciso entender que desrespeitar regras já estabelecidas antes de sua chegada, assim como não aceitar o líder da equipe não transformará você em uma pessoa bem quista, nem bem visada pelos outros componentes do grupo.
Ter atitudes depreciativas sobre um componente da equipe só demonstra o quanto não estamos realmente abertos a trabalhar com o outro e o quanto ainda precisamos amadurecer em busca de construir um ambiente profissional agradável e produtivo.
Aceitar fazer parte de um grupo requer de nós não a necessidade de passividade, mas entender até que ponto podemos trazer mudanças positivas para o grupo, além de também entender o nosso grau de importância e o valor do trabalho alheio, que unido ao nosso, pode acarretar em resultados positivos. Ter espírito de equipe é deixar muitas vezes de lado a nossa visão emocional da situação e nos permitir dialogar buscando soluções práticas para resolver o problema do grupo.
           “Ninguém é perfeito”, “precisamos aceitar cada um como é” são frases que falamos e ouvimos sem nos dar conta do seu verdadeiro valor de integração que podem trazer para qualquer relação que tenhamos. Isso fica mais difícil de ser inserido dentro de nosso quotidiano quando trabalhamos com pessoas que não escolhemos e não temos relações de afinidade, mas buscar uma relação de tranquilidade é, sem dúvida, algo que nos faz um bem muito grande.
            Outro ponto importante, você já percebeu que por mais que seu trabalho lhe permita ser individualista, nós não podemos nos desprender totalmente de um grupo em nenhum momento de nossas vidas? Seja a atuação que você exerça, sempre há um vínculo nos unindo a quem busca nosso trabalho e nós que o produzimos.