Ainda falta aceitação


Parece fácil criticar o que encontramos de diferente no outro, mas o que parece ser um costume – não aceitar a diferença – pode ser um grande mal que fazemos para nós mesmos e para os outros. A exemplo disso, temos o bullying, o racismo, o preconceito e entre outras condutas que não condizem com a boa convivência em sociedade. O que é mais evidente é a necessidade de ser descoberta a diferença, apesar de ela poder ser interpretada como positiva ou negativa, a depender da educação e da civilização do indivíduo.
            Sabemos que não se pode ter preconceito sobre qualquer pessoa ou assunto, mas ainda há quem prefira se posicionar de forma inaceitável sobre aqueles que são diferentes no seu modo de agir e de pensar. Podemos até dizer que isso deixar de ser preconceito, pois se conhece previamente o que gera o diferencial. Então, quem escolhe esse comportamento também está sujeito a grandes críticas a respeitos de seu modo de continuar envernizado sobre o tema em questão.
 Sobre o racismo no Brasil é até ridículo existir pessoas que não aceitam a nossa mescla étnica, pois somos todos, desde a época da vinda dos portugueses e dos africanos para nosso território um grupo cheio de traços, de crenças, de costumes e maneiras diversas de pensar e, contudo geramos um só país.
É evidente a necessidade de busca pela nossa identidade na fase da adolescência, em que queremos nos autoafirmar através de nossas ações, o que originou as brincadeiras sobre o colega da escola. Mas ultrapassar os limites do que é aceitável, ser agressivo fisicamente e verbalmente é sintoma de uma sociedade doente, de crianças sendo um reflexo de como seus pais não as educam devidamente e de como a comunidade precisa se unir contra comportamentos inaceitáveis em crianças e adolescentes para que estes mesmos indivíduos não sejam adultos de má índole.
Entender que somos variáveis de uma única variante – o ser humano, é entender que a diferença é preciosa e cheia de conteúdo a ser descoberto e admirado e isso é um dever de todos nós, pois demonstra o quanto aprendemos a ser educados e podemos conviver bem em sociedade. Não se pode julgar nada nem ninguém sem antes mesmo ser descoberto que, talvez há em nós mesmo algo que não queremos aceitar e acabamos usando o outro apenas como um espelho para a nossa ferida.

Comentários

  1. digno de aplausos

    qq tipo de pré-conceito é feio, uma atitude desnecessária.

    o mundo não precisa de fronteiras, precisa de reconhecimento e respeito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Por que as pessoas fogem de relacionamentos mais sérios?