Que Deus você escolhe para você?


            Eu sei que esse assunto é polêmico, mas envolve todas as crenças que uma pessoa pode ter sobre si mesmo e como caminhar em sua própria jornada. Por isso, faço esse questionamento a você: Que Deus você escolhe, ou seja, em que você acredita que rege os seus pensamentos e ações sobre a sua vida?
            Um Deus amoroso que permite erros e está aberto para seus acertos ou um Deus punitivo, que te limita a crer que não é só amor que devemos ter a Deus e sim temor, porque respeito se constrói com temor? Um Deus que está presente em tudo o que você é e faz ou um Deus que você precisa se sentir preso a objetos, lugares e rituais?
            Existem inúmeras definições do que é Deus e divindades e, como pessoas que convivem em grupos diversificados, precisamos acima de tudo respeitar as diversas maneiras de crer que estão ao nosso redor. Mas sobre a sua forma de crer em Deus, você nunca refletiu sobre isso?
            Será que somos pessoas de boa índole porque escolhemos ser deste jeito ou é porque acreditamos que há alguém sempre vigiando nossos passos? Podemos tomar atitudes diferentes do que esperam de nós ou temos que seguir regras ditadas por outra pessoa? Será que temos que seguir religiões, superstições dos nossos familiares ou podemos escolher em que acreditar?
            Parece que ninguém nunca está pronto para responder a essas perguntas e até as consideram de baixa qualidade porque pensam que não podemos nunca questionar a existência de Deus. Mas e aqueles que não acreditam em Deus e mesmo assim, conseguem levar uma vida tranquila, de paz, fazendo bons atos para si e para os outros? Você nunca observou que existem pessoas assim? Pois é, elas existem e talvez o que nos diferencia delas é o que elas escolheram acreditar sobre o que é Deus, ou quem é Deus ou se há Deus.
            Como sou curiosa, outro dia, eu tentei ler um livro que tentava ter explicações sobre o fim do mundo e o que isso pode ter de bom e de ruim. Achei a leitura pesada, assustadora demais e mesmo tentando ter linguagem para que todos compreendessem, o livro em si se restringia a ser compreendido apenas por aqueles que fazem parte da mesma doutrina do autor, o que, por sua vez, já faz com que qualquer outro leitor se desanime para continuar a leitura.
            Eu prefiro acreditar num Deus misericordioso, capaz de nos dar auxílio quando precisamos e pedimos. Um Deus que está aberto a nós, assim como nós podemos estar abertos a ele. Eu acredito muito mais num Deus amigo, que nos recebe sem criticar nossos atos, do que num Deus que castiga, que pune e se restringe a escolher quem são seus verdadeiros seguidores. Faço disso a minha própria visão de Deus, independente do que os outros possam pensar ou mesmo criar preconceitos contra mim, além de também respeitar os diferentes olhares sobre esse assunto.
            Se erramos é porque temos o livre arbítrio para escolher entre o certo e o errado. Se fazemos o bem é porque de fato queremos fazer o bem, não para ganhar pontos com um Deus punitivo e sim porque escolhemos ser pessoas do bem. Quantas pessoas se vestem de capas de religiões e saem pela vida cometendo tantos atos indiscutíveis?
            Se a proposta da própria palavra “religião” é religar, porque então ainda não aceitamos todos nós como seres merecedores de compaixão, de amor e de aceitação da nossa maneira única de ser? Por que não aceitarmos todos nós como um grupo diverso? Sermos instrumentos de paz nos faz nos sentir muito melhor do que pregar o ódio, a maledicência e qualquer outro sentimento negativo, logo porque ainda não sabemos o que escolher?

Comentários

  1. Segue o que acho sobre suas perguntas, pode ser diferente das de muitos, beijão querida!


    1: O Deus que habita nossos corações

    2: Deus é justo e bom, nós é que possuímos o livre arbítrio e escolhemos que caminho seguir, buscar a Deus é uma viagem interna ao Amor, a viagem externa existe muita ilusão que nos afoga na busca interna.

    3: Existem diversas religiões cabe a pessoa com seu livre arbítrio escolher a qual seguir, aquela onde ela se sente bem (não importa sua religião se ela te torna um ser humano melhor)

    4: Siga o seu coração trilhando sempre no caminho do Amor

    5: A estrada da vida é cheia de perguntas e duvidas, o Sol nasceu para todos para o crente e o descrente a de um dia o descrente despertar.
    6: Fim do mundo é historia que existe a séculos e até hoje o mundo não acabou, o mundo acaba quando a pessoa deixa ter Amor e Compaixão para com seu próximo.

    7: Deus é justo e bom ele não castiga, não condena, lembrando somos nós mesmo que nos desviamos do caminho.
    8: Cada um ira responder pelos seus próprios atos independente de religião

    9: Muitos ainda estão em evolução na terra, o que pode ser simples e descomplicado entender para mim, pode ser difícil e complicado para outro. Enquanto houver predominância do ser humano se deixar levar pela matéria haverá sempre uma discórdia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Como anda a educação dos jovens? Totem e Tabu na família brasileira