Amizade com benefícios


Outro dia, eu ouvi esse termo e achei interessante esse tipo de definição de um relacionamento: ter uma amizade com uma pessoa e ao mesmo tempo um relacionamento aberto com a mesma. Parece que todos os problemas que podem acontecer num relacionamento sério desaparecem com essa modalidade de relacionamento, como o risco de se envolver mais do que você quer no momento, o ciúme e as cobranças. Mas será que realmente um relacionamento feito com essas bases tende a “funcionar”?
Será que não estamos entrando num tipo de relacionamento em que “se economiza” sentimentos e comprometimento ou simplesmente isso é apenas uma tentativa de economia? Afinal, quem escolhe entrar num relacionamento desse tipo e quais são os motivos que levam uma pessoa a optar por essa forma de se relacionar com alguém?
Geralmente, são pessoas que acham que suas vidas são muito corridas e que em sua rotina não tem muito tempo para procurar alguém que realmente tenha as características de um bom parceiro para nutrir uma relação. Além disso, no fundo dessas mesmas pessoas se escondem as suas verdadeiras  razões para não se envolver mais profundamente com alguém – não se sentir aberto para ter um relacionamento no momento, não se sentir merecedor de um relacionamento de melhor qualidade e a mais cruel de todas: não acreditar que a pessoa que está ao seu lado merece compartilhar uma vida em comum com ela.
Claro que há uma pessoa na relação que acaba sendo enganada, ou pelo menos, tenta se enganar acreditando que um tipo de relação desse tipo não é um relacionamento de fato. Sem mencionar que um relacionamento moderníssimo como esse também traz os mesmos problemas de relacionamento à moda antiga, ou seja, acabamos nos envolvendo também com os problemas alheios, com a sua vida pessoal e profissional, independente de acordos preestabelecidos.
Entrar num relacionamento já com um pé para fora é sinal de que você mesmo não se acha capaz de nutrir sentimentos bons, de compartilhar bons momentos com alguém especial e também demonstra baixa autoestima, pois quem se considera merecedor de um relacionamento “normal” é uma pessoa que se considera completamente apta para assumir as emoções que constroem uma relação.
O número de pessoas que embarcam em amizades com benefícios são grandes, o que demonstra a quantidade de pessoas hoje que tem medo de se relacionar de verdade, que acham que são capazes de dominar suas emoções e acreditam que assim, não vão sofrer nem fazer o seu parceiro sofrer também. Mas o que acontece é isso mesmo? 
Claro que não, como tem gente que entrou nessa situação e saiu ferido, muito mais arrasado do que se tivesse assumido um compromisso simples de namoro com o par. Isto porque, mesmo de forma inconsciente, são criadas expectativas de que o relacionamento pode evoluir, pode se transformar num relacionamento mais saudável, que dê mais certeza de que a pessoa que está ao seu lado está porque quer assumir você como a pessoa escolhida por suas qualidades e também por nutrirem um sentimento bom entre os dois.
Saber entrar em amizades com benefícios, quase todos nós sabemos, mas continuar nelas é a grande dificuldade. Ser o ombro amigo é muito fácil, mas não ter uma parceria quando você precisa do outro é muito ruim, fica um sentimento de vazio, parece que o relacionamento em si só tem um lado físico e uma grande barreira que impede a expressão dos mais normais e lindos sentimentos.
Aliás, mesmo que criem termos novos, o ato de se relacionar continua sendo ter uma relação com alguém, ou seja, independente do grau de intimidade, de comprometimento e de expressão de seus sentimentos, quem está envolvido, simplesmente está e ponto. Basta saber se é só isso o que você merece para si e quer também manter com o outro.

Comentários

  1. Nossa Bruna, li este artigo no momento da vida e dia certos.
    Mais um artigo clareador de idéias.

    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Por que as pessoas fogem de relacionamentos mais sérios?