Ao mestre, com respeito

Podemos dizer que aprender é algo que se faz necessário para nossa sobrevivência e pode trazer a coesão dentro da sociedade da qual fazemos parte. Você já pensou nisso?

Você se lembra de um professor que foi especial em sua vida? Você se lembra de ter recebido além de uma lição nova, carinho e um olhar terno de algum professor que, mesmo como autoridade e disciplina te conduziu a se sentir alguém especial?

Será que uma sociedade que não valoriza este profissional tende a ter melhores cidadãos?

Qual é o papel do professor na sociedade?
Sem dúvida alguma, o professor é uma das profissões mais antigas do mundo e é esse profissional que ao dominar diferentes ciências, abre caminhos para o desenvolvimento do ser humano, permitindo que o homem amplie o seu intelecto.

Através da origem das palavras “professor” e “aluno” podemos entender a grande importância que se era dada ao ato de ensinar no passado. Ambos os termos vêm do Latim e “aluno” significa sem luz própria, o que podemos interpretar como sem conhecimento, enquanto que “professor” é aquele que transmite conhecimentos.

Não há em nenhuma cultura registro de que os conhecimentos foram transmitidos sem que houvesse uma pessoa capaz de passar estes ensinamentos, sejam eles feitos através de professores, instrutores e até mesmo xamãs.

Cabe ao professor o papel de ensinar e transmitir aprendizados para desenvolver nosso intelecto, mas isso não necessariamente acontece sem o lado afetivo ser envolvido no processo de aprendizagem. Por isso, nós guardamos a lembrança de um professor que agiu ternamente conosco, não é verdade?

Professores como exemplos
É interessante como nós vemos o professor como alguém que espelha a sabedoria e até mesmo uma certa perfeição e disciplina, não é verdade? Mas será que todo bom professor precisa se adequar a esta visão para ser de fato um excelente transmissor de conhecimentos? Será mesmo que há uma fórmula a ser seguida para que o ensinamento seja transmitido e quem não cabe nesta fôrma não pode ser um bom professor?

Se fosse assim, não haveria tantos pensadores e pesquisadores sobre o processo de ensino e aprendizagem que criam e recriam métodos e metodologias para que alunos possam aprender de uma maneira mais fácil os ensinamentos a serem passados.

Para cada bom profissional, houve na sua vida, no mínimo três bons exemplos de professores em seus estudos. Sim, basta pensarmos em quantos bons professores nos guiaram e foram capazes de nos estimular a aprender, nos permitindo descobrir maravilhas que outros homens já realizaram e lançaram em nós sementes para que possamos acreditar em nossas capacidades.

E educar cabe ao professor?
Sim, mas não só a ele. A educação compete ao professor que articula o conhecimento das ciências e também à família que é a fonte provedora de exemplos nos quais as crianças se espelham.

Infelizmente, a sociedade buscando um causador dos problemas que causam distúrbios de comportamento infantojuvenis ao invés de se voltar para o seio familiar, acusa o professor e a escola por esses mal hábitos, além do ensino ser visto hoje como uma mercadoria de troca, ou seja, um grande comércio.

Assim, a tendência da posição do professor devido a desvalorização deste profissional está culminando em uma grande crise na educação, pois os professores estão passando por situações de tensão muito grande em seu ambiente de trabalho.

Nunca o professor ganhou tão pouco, nunca o professor foi tratado com tanto desrespeito e com isso, crises de pânico e de ansiedade, tristeza e até depressões profundas, além de outras doenças de fundo emocional estão acometendo essa classe de profissionais que é de extrema valia para que o homem continue a se desenvolver.

Onde será que vamos parar com esse tratamento dado a quem só quer exercer sua função de ensinar e está passando por crises de flagelação no seu ambiente profissional? Será mesmo que o professor precisa ser visto como culpado por uma instituição de ensino se posicionar como uma empresa que visa renda, ultrapassando os limites do bom senso?

Tratamento desumano para professores é conseqüentemente, desumanizar crianças, sementes do futuro não só delas, como também de todos nós.

Como professores precisam e podem agir para resolver essa situação de conflito?
A princípio, parece inviável ao professor tomar uma atitude contra atitudes incoerentes de instituições de ensino quando tratados como meros instrumentos. A união dos professores realmente pode ser a força e a solução do problema.

Debater assuntos relacionados ao problema com a equipe da qual você faz parte, tratando do assunto com seriedade pode ser um bom passo, além de também buscar saber dos seus direitos de acordo com a lei.

Caso seja necessária uma intervenção jurídica, o Sindicato de Professores é o órgão que pode te orientar se você for sindicalizado.

Não se deixe levar pelo pensamento de que é “ruim com ele, pior sem ele”, pois problemas de saúde causados devido ao acúmulo de situações constrangedoras que violentam o seu lado emocional podem se tornar algo irreversível. Então, acredite mais em você mesmo e nas suas qualidades para exercer a sua profissão que você se esforçou tanto para conquistar e busque melhorar o seu ambiente de trabalho ou até mesmo encontre um outro local onde você possa exercer a sua função sem ser alvo de desrespeito.


Aos mestres, ou seja, a todos que exercem o papel de ensinar, meu respeito e apoio a essa guerra que se instaurou no ambiente educacional.




Comentários

  1. Parabéns Bruna pelo seu blog! Está lindo! seus novos artigos são maravilhosos.Belo espaço para presentear a nós leitores com suas sábias palavras. Sucesso para você.
    Beijos

    Mariana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Por que as pessoas fogem de relacionamentos mais sérios?