O mundo corporativo e seus treinamentos massacrantes



Você já se sentiu muito incomodado quando teve que se submeter a treinamentos? Pense bem, pode parecer piada, mas há ainda empresas que chamam treinamentos de “pequenos presentes” ou até mesmo acreditam que o funcionário tem que engolir a formatação do seu jeito de trabalhar sem ao menos ser remunerado por isso, empurrando o slogan de que quem “ganha” é o funcionário... será mesmo?
E a nossa maneira única de sermos criativos e pensarmos por si só, o que acontece com ela quando engolimos goela abaixo o pacote chato do treinamento? Isso deve ser anulado quando estamos dentro de uma empresa? Hum...
E por que será geralmente que todo treinamento é maçante para quem pensa e tem uma criatividade aflorada? Será que essas consultorias de treinamento não podem melhorar um pouquinho ou então, essas empresas que se dizem autodidatas em treinamento nunca pensaram em usar mais o lúdico e o engraçado e permitirem assim que o impulso criativo dos funcionários aflore quando eles são obrigados a ficar por horas a fio presos a palestras e a atividades em grupo chatinhas?
Aos funcionários, pensem e repensem se permanecer nessas empresas realmente é um objetivo que vocês buscam em sua vida ou se é algo provisório que pode ser suportável enquanto vocês tiverem paciência para aturar as baboseiras de quem está lá na frente falando de coisas que muitas vezes vocês têm mais domínio.
Às empresas, está na hora de se inovarem! Pois funcionários insatisfeitos com essa obrigatoriedade de treinamentos falsos, repito, falsos porque não são funcionais para trazer mudanças efetivas para o rendimento da empresa só geram cansaço e mal estar entre aqueles que produzem de fato – seus funcionários. 


Artigo publicado na Catho:

http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/colunistas/o-mundo-corporativo-e-seus-treinamentos-massacrantes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Por que as pessoas fogem de relacionamentos mais sérios?