Violência Gratuita

       Quantas vezes nos deparamos com respostas, atitudes, olhares e menosprezo de pessoas que nem mesmo tivemos o prazer de conhecer? Quantas vezes uma pessoa pela qual você tem afeto também te tratou mal? Algumas vezes, esses tipos de violência nos pegam de surpresa, nos magoam e até podem nos fazer sair do nosso ponto de equilíbrio, dependendo de como reagimos ao receber essa agressividade sem fundamento.
 
 
            Quando somos alvo dessa arrogância desmedida? Dessa ignorância e de qualquer outro tipo de violência? Não há como realmente prever, se ela vier de pessoas que passam por desequilíbrio emocional que não escolhem quem vai receber sua descarga de raiva, de medo e outros sentimentos.
             As pessoas com as quais lidados no cotidiano são mais fáceis de identificar e não ter uma surpresa, caso reajam de forma agressiva conosco, pois podemos identificar em seus comportamentos algo que demonstre que estão em desalinho com elas mesmas e, um simples gesto nosso que não esteja de acordo com o esperado por elas pode desencadear um comportamento agressivo.
             Geralmente, quem guarda para si seus rancores e mágoas por muito tempo, extravasam esses sentimentos em pessoas com as quais tem maior intimidade e afeto, por, de modo inconscientemente, se sentirem mais confortáveis em demonstrar suas dores. Mas, vale ressaltar que demonstrar seus sentimentos não quer dizer que não seja possível agir de forma madura e respeitosa, sem ultrapassar os limites do respeito com as pessoas que queremos bem.
              Você sabia que muitas pessoas em depressão têm atitudes agressivas? Sim, a agressão pode ser uma das fases de um deprimido que segue o tratamento adequado para sua doença. Você tem noção de quantas pessoas sofrem de depressão atualmente? De fato, há estimativas, mas nenhum número concreto, pois muitos doentes não recorrem à médicos especializados nem a terapias. Com isso, podemos considerar que convivemos com muitas pessoas ao nosso redor que podem ter atitudes agressivas conosco.
                O importante numa situação de violência gratuita é sabermos que o melhor é não ter uma atitude que aumente o conflito já criado pelo outro. Não podemos entrar na onda de desequilíbrio que o outro tenta transferir para nós e sim ter a consciência de que precisamos manter o nosso controle emocional para que a situação não se agrave.
                Sei que não é uma ação muito fácil de ser feita, pois convivemos com nossos problemas, com nossos pensamentos sobre o que devemos fazer durante toda a semana, mas ao descobrirmos como encontrar em nós o nosso ponto de equilíbrio, retirando pensamentos e comportamentos derrotistas do nosso dia a dia, podemos desta maneira estar muito mais protegidos dos ataques externos de violência e lidar muito melhor do que imaginamos com essas situações de extrema delicadeza.
                Você já pensou que em muitos casos de violência gratuita a vítima pode não ter nenhuma relação com a pessoa que agiu dessa maneira? Que em muitos casos, o que acontece é você estar do lado da pessoa errada no momento errado? Então, por que não buscar a compreensão interior e alheia e não se deixar levar pela emoção ruim do momento? Busque entender que assim como o outro passa por um desequilíbrio, poderia ser você também e busque não se deixar levar por essa situação conflituosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Por que as pessoas fogem de relacionamentos mais sérios?