Aprendendo com os sofrimentos

Dizem que “o ser humano ou aprende pelo amor ou pela dor”. Certamente, todos nós preferimos a primeira opção, mas dificilmente nos livramos dos sofrimentos da vida, sejam eles uma perda, uma doença, uma traição ou qualquer outro tipo de acontecimento que nos cause sentimentos que nos tiram de nosso ponto de equilíbrio.

Qualquer que seja a causa da dor, o mais importante é saber lidar com a consequência que vem para nós e em nós. O que mudamos com isso? O que podemos fazer para melhorarmos como pessoas? Acredito que as causas ocorrem para nos ensinar a sermos mais humanos, não mais um no mundo, para nos enxergarmos como pessoas, para refletirmos sobre os fatos em evidência que precisam ser observados e nos permitirmos ser mais do que somos.

Não precisamos com a dor criar mais lacunas entre nós e os outros, mais carapaças para nos proteger, precisamos entender o porquê dessa dor ter chegado em nossas vidas e como podemos aprender com ela.

Esse processo de aprendizado através da dor não é nada fácil, precisamos mergulhar nele para entendermos o quanto antes o que nos fez passar por esse momento em nossas vidas e, assim, encontrar novos caminhos, outras maneiras de existirmos como pessoas. Quanto mais tentarmos fugir do ensinamento da dor, mais ela se aprofunda em nós, criando novos acontecimentos que são reflexos do ensinamento primordial que, em forma de espiral, nos faz voltar ao ponto inicial do ensinamento – o olhar sobre nós mesmos.

Soltar as emoções que tentamos aprisionar em nosso peito é uma boa opção para nos livrar da dor por inteiro, pois agindo assim, tomamos uma atitude aberta para a aprendizagem, para descobrir o que é realmente precisamos mudar em nós.

Mudar? Sim, é importante que mudemos com os ensinamentos de nossas vidas. Não podemos nem conseguimos ser a mesma pessoa de 10 anos atrás, de 10 dias atrás, nem de 10 minutos atrás, pois as experiências que precisamos passar nos ensinam a amadurecer, a saber melhor gerir nossas vidas, a ficarmos mais fortes, mais autênticos e mais verdadeiros conosco e com os outros também.

É possível passar uma vida inteira sofrendo, se queixando por fatos do passado que persistem e ressurgem para nos ensinar a crescer e sermos responsáveis por tudo o que somos e temos, mas não será mais fácil olhar para dentro e aceitar nossos erros, nossas culpas, nossos fatores atrativos para que o sofrimento se encaixasse em nossas vidas?

Não é buscando se lamentar pelo ocorrido que crescemos, pois isto só nos coloca no papel de vítima das circunstâncias e isso não é amadurecer e sim, regredir. Crescer de dentro para fora é nos olhar e nos aceitar do jeito que realmente somos e comparar com o jeito que nos colocamos para os outros. Não basta reclamações e lágrimas se não entendermos que o ocorrido faz parte de nossa estória de vida, de nossa maneira anterior ou atual de vivenciar as experiências.

Vamos ter um comportamento mais responsável conosco e com tudo o que nos acontece? Vamos crescer e encarar os fatos da maneira como eles realmente são?

Comentários

  1. Muito pertinente esse post,boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Oi,meu nome é: Eliana Gomes
    Amei!
    Parabéns pela sua postura. Diante de assuntos tão delicados vc consegue ser ao mesmo tempo, clara, objetiva e conselheira.
    Obrigada!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Eliana! Tudo bem? Fico muito feliz em saber que você captou a mensagem que eu quis passar! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Sensacional seu post. Continue sempre assim... Sucesso em 2012.

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada pela sua opinião e seus votos! Que continuemos aprendendo sempre, mais e mais!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intransigência, um grande mal para os relacionamentos

Quando a cabeça não pensa, o corpo padece mesmo!

Como anda a educação dos jovens? Totem e Tabu na família brasileira